PRINCÍPIOS DAS ORGANIZAÇÕES FOCALIZADAS NA ESTRATÉGIA: O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS DO GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA

Kátia Silene Lopes de Souza Albuquerque, Joséilton Silveira da Rocha

Resumo


O objetivo principal desse artigo é analisar se no processo de implementação do gerenciamento das estratégias no Estado da Bahia, iniciado em 2007, foram observados os cinco princípios (padrão), que Kaplan e Norton (2001) denominaram de princípios das organizações focalizadas na estratégia. Com essa finalidade, foram seguidos os seguintes passos: (i) foi feita uma pesquisa bibliográfica, a fim de identificar na literatura disponível assuntos que abordam o tema desse artigo; (ii) foi feita uma pesquisa documental utilizando documentos como no plano do governo, plano plurianual 2008-2011, planejamentos estratégicos das secretarias; (iii) foi realizada também uma entrevista com algumas pessoas envolvidas na implementação do novo modelo de gestão para o Estado da Bahia. Chegando-se à conclusão que o Estado da Bahia tem avançado bastante na implementação das suas estratégias, de acordo com os princípios de Kaplan e Norton, portanto ainda será necessário que se percorra mais alguns passos para ser considerada uma organização focalizada na estratégia.

Palavras-chave


Gestão pública; estratégia; princípios.

Texto completo:

PDF

Referências


CATELLI, Armando; SANTOS; Edilene Santana. Mensurando a criação de valor na gestão pública. In: 13th Asian Pacific Conference on International Accounting Issues, 28-31 de outubro, 2001. Disponível em .http://www.gecon.com.br/artigo21.htm. Acesso em 15 de janeiro de 2008 e em 01 de abril de 2008

GOMES, Adhemar Martins Bento. Atualidade Perspectivas da Administração Pública. In: Gestão Pública: a trajetória da função administração do Estado da Bahia. Cadernos da Fundação Luís Eduardo Magalhães. Salvador: FLEM, 2003.

KAPLAN, Robert S.; Norton, David P. A estratégia em ação: balanced scorecard. 5.ed. Rio de Janeiro: Campos, 1997. ______. Organização orientada para a estratégia: como as empresas que adotam o balance scorecard prosperam no novo ambiente de negócios. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

KOTLER, Philip. Administração de marketing: a edição do novo milênio. 10. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2000.

MARINI, Caio. Gestão pública: o debate contemporâneo. Salvador: FLEM, 2003.

MARINI, Caio & MARTINS, Humberto. Um Governo matricial: estruturas em rede para geração de resultados de desenvolvimento – IX Congresso Internacional do CLAD sobre a Reforma do Estado e da Administração Pública, Madrid Novembro 2004.

MARINI, Caio. Uma aplicação voltada à governança estadual: a construção da agenda estratégica do estado de Alagoas. X Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública, Santiago, Chile, 18 - 21 Oct. 2005.

OSBORNE, David; GAEBLER, Ted. Reinventando o governo. Tradução de Sérgio Fernando G. Bath e Ewandro M. Júnior. 6ª edição. Brasília, MH Comunicação, 1995.

PAES DE PAULA, Ana Paula. Administração Pública Brasileira entre o Gerencialismo e a Gestão Social. Revista de Administração de Empresas (RAE). Debate jan./mar. 2005, p. 37–49.

SANTANA, Mercejane Wanderley. A administração pública e seus modelos: também modismos? Conjuntura e Planejamento, Salvador: SEI, n.134, p.38-47, Julho/2005

SANTOS, Nivaldo João dos. Planejamento e orçamento na área pública: Uma aplicação do Balanced Socrecard. XXIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção - Ouro Preto, MG, Brasil, 21-24 de out de 2003.

SOUZA, Celina. Por que mudam as formas de gestão pública? In: Gestão Pública: a trajetória da função administração do Estado da Bahia. Cadernos da Fundação Luís Eduardo Magalhães. Salvador: FLEM, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.18028/rgfc.v1i1.27

Apontamentos

  • Não há apontamentos.