PREFERÊNCIA PELA LIQUIDEZ DOS BANCOS NO BRASIL: UMA INVESTIGAÇÃO EMPÍRICA COM DADOS EM PAINEL DINÂMICO

Fernando da Silva Vinhado, Vinícius Cintra Belém

Resumo


No exercício de suas atividades de intermediador financeiro, os bancos aplicam os recursos captados em ativos financeiros de maior ou menor liquidez, com consequente impacto na rentabilidade, gerando, segundo a Teoria da Preferência pela Liquidez, um trade-off entre liquidez e rentabilidade. Sob essa perspectiva o objetivo desse artigo é melhor compreender o comportamento dos bancos no Brasil quanto às escolhas e formação dos portfólios ativos, mediante investigação empírica através de estimação dinâmica com o estimador GMM-SYS em dados organizados em painel com 104 bancos que atuaram no Brasil entre 2000 e 2011.  Os resultados encontrados no presente estudo contribuem para a melhor compreensão acerca de comportamentos e elementos associados às escolhas de alocação de ativos das instituições financeiras no Brasil, à medida que se identifica, além da persistência das posições ativas dos bancos, as relações entre a personalidade jurídica privada e nacionalidade estrangeira dos bancos com o maior grau de preferência por liquidez, bem como as evidências de comportamento mais conservador na formação dos portfólios ativos por parte das menores instituições e daquelas menos capitalizadas. As variáveis macroeconômicas, PIB e Juros, também se mostraram influentes sobre a configuração das aplicações dos bancos no Brasil.


Palavras-chave


bancos, preferência pela liquidez, painel dinâmico

Texto completo:

ARTIGO

Referências


ARAÚJO, V.L. Preferência pela liquidez do setor bancário no ciclo de expansão do crédito no Brasil: 2003-2010. Revista Análise Econômica, v. 31, n. 59, p.47-75, mar. 2013.

ARELLANO, M.; BOND, S. Some tests of specification for panel data: Monte Carlo evindence and an application to employment equations. Review of Economic Studies, v. 58, n. 2, p. 277-297, abr. 1991.

ARELLANO, M.; BOVER, O. Another look at the instrumental variable estimation of error-components models. Journal of Econometrics, v. 68, n. 01, p. 29-51, jul. 1995.

BALTAGI, B.H. Econometric Analysis of Panel Data. West Sussex: John Wiley & Sons Ltd, 2008.

BLUNDELL, R.; BOND, S. R. Initial conditions and moment restriction in dynamic panel data models. Journal of Economitrics, v. 87, n. 01, p. 115-143, ago. 1998

CINTRA, M.A.M. A reestruturação patrimonial do sistema bancário brasileiro e os ciclos de crédito entre 1995 e 2005. Política Econômica em Foco, n. 07, p.292-318, nov.2005/abr.2006.

COSTA, F.N. Brasil dos Bancos. São Paulo: Edusp, 2012.

FUCIDJI, J.R.; PRINCE, D. Determinantes do crédito bancário: uma análise com dados em painel para as maiores instituições. Revista Análise Econômica, v. 27, n. 52, p.233-251, set. 2009.

KEYNES, J.M. A treatise on money, vol. I e II. Londres: Macmillan. 1971. ____________ The general theory of employment, interest and money. Londres: Macmillan. 1973.

NOVAES, A. Intermediação financeira, bancos estatais e o mercado de capitais: a experiência internacional. In: PINHEIRO, A.C.; OLIVEIRA FILHO, L.C. Mercado de Capitais e Bancos Públicos. Rio de Janeiro: Contra capa, 2007. p.35-132.

MONTES, G.C.; FEIJÓ, C.A. Credibilidade, política monetária e racionamento de crédito. Revista de Economia Contemporânea. v.15, n.01, p.05-29, jan./abr. 2011.

MUNHOZ, V.C.V.; GASPAR, L.C. Volatilidade dos fluxos internacionais de capitais e a oferta de crédito na economia brasileira entre 1995 e 2009. Análise Econômica, v. 30, n. 57, p.7-41, jan./mar. 2012.

OLIVEIRA, G. C. O comportamento da estrutura patrimonial de grandes bancos privados diante do recente ciclo de crédito no Brasil — 2002-05. Indicadores Econômicos FEE, v.34, n.04, p.179-196, mar. 2007.

OREIRO, J.L. Preferência pela liquidez, racionamento de crédito e concentração bancária: uma nova teoria pós-keynesiana da firma bancária. Estudos Econômicos, v.35, n. 01, p.101-131, jan./mar. 2005.

PAULA, L.F.R. Comportamento dos bancos, posturas financeiras e oferta de crédito: de Keynes a Minsky. Análise Econômica, v.29, p.21-38, mar. 1998. ___________. Bancos e crédito: a abordagem pós-keynesiana de preferência pela liquidez. Revista de Economia, v. 32, n. 02, p.81-93, jul./dez. 2006.___________; ALVES JR, A.J. Banking behaviour and the brazilian economy after the real plan: a post-keynesian approach. Banca Nacional e del Lavoro Quarterly Review, n. 227, pp. 337-365, Dez. 2003.

PRATES, D.: BIANCARELI, A. M. Panorama do ciclo de crédito recente: condicionantes e características gerais: projeto de estudos sobre as perspectivas da indústria financeiras brasileira e o papel dos bancos públicos. BNDES, 2009. Disponível em . Acesso em 19 de setembro de 2012.

SILVA, G.J.C.; OREIRO, J.L.C.; PAULA, L.F.R. Spread bancário no Brasil: uma avaliação empírica recente. In: PAULA, L.F.R; OREIRO, J.L. Sistema Financeiro: Uma Análise do Setor Bancário Brasileiro. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007. p.191-220.

STIGLITZ, J.; WEISS, A. Credit rationing in markets with imperfect information. American Economic Review, v.71, 1981.

TOBIN, J. The commercial banking firm: a simple model. Scand. J. of Economics, n. 84, v. 04, pp. 495-530, 1982.




DOI: http://dx.doi.org/10.18028/rgfc.v3i2.259

Apontamentos

  • Não há apontamentos.