Revista ComSertões


 Editorial

Esta edição especial da Revista Comsertões, eletrônica e impressa, encerra um ciclo de dez anos de trabalhos realizados no projeto de pesquisa “Signos de Nordestinidade”, que analisou os diversos tipos de representações sociais ou construções simbólicas do Nordeste e sua gente no cinema brasileiro, reconhecendo seu valor positivo e/ou negativo. Na referida pesquisa, foi marcante a intertextualidade existente entre as diversas formas de arte e a comunicação na construção de uma identidade nordestina, com destaque para a literatura, em obras como “Os sertões” de Euclides da Cunha. Fatos atestados pela produção textual de Patrícia da Silva Barbosa e Carla Conceição da Silva Paiva, em “Signos de Nordestinidade: análise da representação das identidades nordestinas no cinema brasileiro no período de 2000 a 2010” e Diogo Cavalcanti Velasco, em “Genealogia das imagens do sertão nordestino no cinema brasileiro: uma breve história”.

A nordestinidade pode ser entendida como a resultante de diversas identidades sociais que esquematizam uma única interpretação sobre a identidade regional do Nordeste e sua gente. Algo que, para nós, após anos de estudos, evidencia uma imprudência, porque omite diversos modos de existências uniformizando-os através de imagens e textos que se limitam a reforçar os discursos sobre a seca, a fome e a miséria. Uma preocupação compartilhada por Neucimeire Santos de Souza, que fazendo uma análise da produção imagética sobre o Semiárido, destaca as principais diferenças entre as propostas políticas e ideológicas de “Combate à seca” e da “Convivência com o Semiárido brasileiro”, sinalizando modos de representação distintos sobre o nordeste. Nesse mesmo caminho, os autores Dalila Carla dos Santos, Luis Osete Ribeiro Carvalho e Tamires de Lima Santos apresentam a música do movimento hip hop como outra possibilidade de (des)construção de sistemas hegemônicos de enunciação que historicamente marginalizam, oprimem e estigmatizam o Nordeste.

No geral, identificados 14 signos de nordestinidade, como a paisagem sertaneja, o vaqueiro, a religiosidade, o cangaço e a seca, por exemplo. Elementos simbólicos presentes no cinema, mas também no telejornalismo, na publicidade, e nos livros didáticos, como podemos verificar no artigo de Rosiane Rocha Oliveira Santos e José Moacir dos Santos e no texto intitulado “Conexões sobre redes seletivas de conteúdo na publicidade e a formação dos ambientes de ausência”. Todas essas construções discursivas colaboram para disseminar influências e hábitos que modificam os estilos de vida de mulheres e homens no Nordeste brasileiro. No Semiárido, no Agreste ou no Litoral, conforme atesta Durval Muniz de Albuquerque Júnior em entrevista realizada por Laina Ramos dos Santos.

Por isso, defendemos que a investigação da categorização da identidade social nordestina se constitui como uma preocupação pertinente e permanente, uma vez que a reprodução de estereótipos, por sua própria natureza, apresenta-se como uma prática que incentiva a sujeição ideológica, reafirmando, através de múltiplas linguagens, um modelo de comportamento político e social. Assim, promover estudos nessa vertente se constitui como uma tarefa de responsabilidade da pesquisa em comunicação social e educação, dois campos de estudos presentes nos artigos desta edição especial, principalmente, porque estimula o exercício de ultrapassar fronteiras simbólicas e geográficas, resgatando a proximidade entre multimeios e a expressão da realidade.

Fechamos um ciclo, mas não encerramos nossa preocupação em investigar as representações sobre o Nordeste nas diversas formas de arte e educação. Agradecemos aos autores e autoras, aos colaboradores e colaboradoras, ao conselho, aos pareceristas e a você leitor por participar de tudo isso. Aceite nosso convite para pensar uma nova forma de “olhar” essa região e venha caminhar conosco neste esforço de produção do conhecimento e transformação social em terras sertanejas.

 

Carla Conceição da Silva Paiva

Editora responsável pelo 5º número da ComSertões

Notícias

 

Inscrições abertas para o concurso de capa da ComSertões

 

A ComSertões - Revista de Comunicação e Cultura no Semiárido - está com inscrições abertas para o concurso de capa desta nova edição, que busca problematizar a representação do Nordeste no cinema, na educação e na cultura. As propostas devem ser enviadas para o e-mail revistacomsertoes@gmail.com, com cópia para ccspaiva@gmail.com , até o dia 23 de maio de 2017

 
Publicado: 2017-04-23 Mais...
 

CHAMADA PARA EDIÇÃO ESPECIAL 2017.1

 
A ComSertões – Revista de Comunicação e Cultura no Semiárido  – convida estudantes e pesquisadores a enviarem trabalhos para uma edição especial sobre representação do Nordeste no cinema, na educação e na cultura. Serão aceitos trabalhos multidisciplinares que reflitam sobre essa temática ou promovam o debate comunicacional contextualizado.  
Publicado: 2017-04-23 Mais...
 

CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS 2016.1

 

A ComSertões – Revista de Comunicação e Cultura do Semiárido  – convida estudantes e pesquisadores a enviarem trabalhos para a edição 2016.1 da quarta publicação. Os interessados e interessadas devem enviar trabalhos para seleção editorial até o próximo dia 22 de Agosto, seguindo as normas editoriais da publicação disponíveis no site.

 
Publicado: 2016-05-31 Mais...
 

Revista ComSertões abre inscrições para segundo concurso de fotografia

 
A Revista ComSertões está com inscrições abertas até o dia 10 de junho para o concurso de fotografia que irá compor a capa de sua terceira edição.  
Publicado: 2015-05-29 Mais...
 
Outras notícias...

v. 1, n. 5 (2017): Revista ComSertões nº 5


Capa da revista